sexta-feira, 23 de março de 2018

PERDAS SUPORTADAS, NUNCA REPARADAS.

Em nossa JORNADA terrena, tentamos a cada dia nos acostumar com as perdas. Um PATRMÔNIO desfeito pela crise. Um AMIGO que se foi para longe. Um ente QUERIDO que partiu para o além. A saúde que vai se esvaindo e os SONHOS que não se concretizaram, fazem seqüelas na alma. Logo ficamos sem a casa dos pais para ir, pois eles já não existem. Logo, os muitos amigos vão se resumindo a filhos, genros, noras e netos. Perdemos um pouco hoje aqui, perdemos um pouco amanhã ali, até que o nosso MUNDO aos poucos vai se resumindo. Depois de cada perda, tentamos impor em nós mesmos o acostumar para ALIVIAR a dor ou diminuir o sofrimento. Tentamos ACOSTUMAR com a ausência dos que se foram. Tentamos ACOSTUMAR a não achar graça com anedotas. Tentamos ACOSTUMAR a ficar reclusos na frente de um computador. Tentamos ACOSTUMAR a chegar à igreja sem cumprimentar ou ser cumprimentados. Tentamos ACOSTUMAR a reprimir a lágrima sem ninguém notar e a engolir o choro que quer sair. Sim, tentamos nos ACOSTUMAR com as perdas para diminuir o sofrer. Todavia, aprendemos que existem perdas que nunca são REPARADAS, apenas, SUPORTADAS. Daniel Vieira

terça-feira, 6 de março de 2018

A BELEZA DA FAMÍLIA TRADICIONAL

A família tradicional está sendo atacada ferozmente por muitos pseudo-intelectuais tendo como porta voz a Rede Globo e parte da grande mídia. A união desses dois grupos, tenta de todas as formas, ditar as regras de convivência e de conduta de nossa sociedade. Na visão desses pseudo-intelectuais, Pai e mãe, deve ser trocado por, Cuidador e cuidadoura e a família tradicional de pai e mãe, agora passa a conviver com a família moderna: Dois pais e filhos, duas mães e filhos, um pai e duas mães e filhos, uma mãe e dois pais e filhos etc... Podem tentar de todas as formas menosprezar a beleza da família tradicional, mas nada é tão belo quanto um filho poder dizer: “Eu tenho Um pai e uma mãe”. Isso é mais belo do que dizer: “Eu tenho dois pais, ou, eu tenho duas mães”. Ou numa roda com amigos, falar do marido do meu pai ou da mulher da minha mãe. Me encanta, um filho pequeno calçando as botas do pai e andando pela casa, querendo parecer-se com ele. Me encanta, uma filha calçando as sandálias da mãe e vestindo as suas roupas andando trôpega na casa querendo se parecer com ela. Me encanta ver o papel do pai, de mantenedor, de dá segurança, de corrigir e de dá força á criança que cresce mandando que se levante depois de cada tombo. Me encanta ver o colo da mãe, o sopro sobre os arranhões da queda dizendo que logo vai passar e o olhar de amor. Podem me chamar de retrógrado, fundamentalista, fascista e até de nazista, já que é isso que falam daqueles que não aceitam os preceitos que tentam impor, todavia, os meus olhos sempre se encherão com a beleza de poder olhar um filho chamar: “Papai!” “Mamãe!” A FAMÍLIA TRADICIONAL, Nem deveria ser chamada assim, pois segundo DEUS, ela é simplesmente “Família” o resto é imitação barata.